Resenha de Livro: Viva Para Contar - Lisa Gardner

2 comentário(s)
Título: Viva Para Contar
Título Original: Live to Tell
Autor: Lisa Gardner 
ISBN: 978-85-8163-016-8
Páginas: 480
Ano: 2012
Editora: Novo Conceito
Preço Sugerido: 34,90  


Em uma noite quente de verão, em um bairro de classe média de Boston, um crime inimaginávelfoi cometido: quatro membros da mesma família foram brutalmente assassinados. O pai — e possível suspeito — agora está internado na UTI de um hospital, entre a vida e a morte. Seria um caso de assassinato seguido por tentativa de suicídio? Ou algo pior? D. D. Warren, investigadora veterana do departamento de polícia, tem certeza de uma coisa: há mais elementos neste caso do que indica o exame preliminar. Danielle Burton é uma sobrevivente, uma enfermeira dedicada cujo propósito na vida é ajudar crianças internadas na ala psiquiátrica de um hospital. Mas ela ainda é assombrada por uma tragédia familiar que destruiu sua vida no passado. Quase 25 anos depois do ocorrido, quando D. D. Warren e seu parceiro aparecem no hospital, Danielle imediatamente percebe: vai acontecer tudo de novo. Victoria Oliver, uma dedicada mãe de família, tem dificuldades para lembrar exatamente o que é ter uma vida normal. Mas fará qualquer coisa para garantir que seu filho consiga ter uma infância tranquila. Ela o amará, independentemente do que aconteça. Irá protegê-lo e lhe dar carinho. Mesmo que a ameaça venha de dentro da sua própria casa. 









Não é novidade que livros do gênero mistério e policial acabam fisgando leitores pela sinopse cheia de interrogações. Foi desse mesmo modo que eu fui atraído pela obra Viva Para Contar que traz assuntos pouco conhecidos e os mescla com uma dose de mistério e ação.







Na trama, a detetive D. D. Warren acaba tendo que lidar com um crime muito estranho. Aparentemente, um pai assassinou sua mulher e seus três filhos em Boston e depois se matou. Ao menos, é essa a versão mais aceita pelos investigadores da equipe da detetive Warren.

Um assassinato entre membros de uma família já é em si uma temática muito monstruoso e curiosa, mas a coisa só tende a ficar mais estranha quando temos um aspecto quase nunca visto na literatura acrescentado as páginas de Viva Para Contar, crianças psicóticas. Quando pensamos em um psicopata imaginamos um adulto dissimulado e com más intenções, mas se pararmos para imaginar, o ''ser psicopata'' tem origem em problemas mentais, então esse adulto já foi um dia uma criança e consequentemente uma criança psicopata. Imaginar uma criança com uma faca na mão ameaçando matar sua própria mãe é algo no mínimo medonho e dramático. É aí que o livro começa a ficar interessante, pois a suspeita quase certa de que foi o pai o assassino acaba decaindo para a possibilidade de um dos filhos ter efetuado o crime.

Danielle Burton é uma das personagens do livro que sofreu um atentado parecido com o da família de Boston, com a excessão de que seu pai não a matou, ou seja, seus irmãos e sua mãe morreram mas por algum motivo antes de se matar o seu pai permitiu que ela continuasse viva. Em busca de se recuperar do trauma, Danielle torna-se enfermeira especializada em cuidados com crianças que sofreram ou sofrem consequências por terem passado por situação parecida com a dela. Mais tarde, Danielle acaba ajudando a equipe da detetive Warren e também, virando suspeita do crime de Boston.

Outra personagem muito importante da história é Victoria Oliver que é mãe de uma criança com problemas psicóticos e que teve toda a sua vida e seu sonhos desestruturados por conta do seu filho. Ao decorrer da história seu caminho acaba cruzando com o da detetive D.D Warren e da enfermeira Danielle. 
Durante a leitura do livro a autora faz com que você tenha certeza sobre algumas partes da investigação, o livro foi escrito de maneira tão boa que você consegue se sentir no lugar dos detetives, porém, o mais interessante é que, a cada novo capítulo se tem uma reviravolta enorme na conclusão do caso. O início da obra é um pouco estranho, já que a história é narrada por várias visões e acaba deixando as coisas um pouco confusas, mas por incrível que pareça, foi uma sábia escolha para tornar tudo ainda mais misterioso.







Você se esforça quando é pai ou mãe. Você ama além de qualquer defeito. Você luta além de qualquer dificuldade. Sua esperança vai muito além de qualquer decepção. Mas você nunca pensa, até o último minuto, que tudo isso pode não ser o bastante. - Pag. 108







É importante lembrar que mesmo tendo um número razoavelmente grande de páginas a trama da obra torna-se viciante, de modo que você voa nas páginas enquanto tenta resolver os casos. Casos como os citados no livro não são apenas ficção e sim, verdadeiros problemas nas casas de muitas famílias. Com toda certeza é uma obra indispensável nas estantes de amantes de mistério e livros policiais. 

2 comentários:

Caíque Fortunato disse...

Primeira resenha que leio deste livro, todo mundo vinha falando que ele era bom, mas ler resenha eu nunca li. Eu gosto muito do gênero e tentarei ler o mais rápido possível, fiquei muito curioso. Gostei de saber sua opinião.

Abraços
http://entrepaginasdelivros.blogspot.com/

wender Monteiro disse...

O titulo em si eh bem convidativo... Viva para Contar... Juan, que bom que pode contar a sua opinião pra gente... rsrsr... se houvesse uma escala para grau de satisfação em gêneros literários certamente a fantasia ocuparia o primeiro lugar para mim e, sem duvida nenhuma historias de investigação policial ocuparia o segundo lugar... a forma como as informações são apresentadas eh para mim impressionante... e mais ainda o final que costuma ser surpreendente....

Atenciosamente,
Wender Monteiro

Postar um comentário

Manuseador da pena

Juan Silva, 16 anos, Carioca e Sagitariano. 3º ano e estudante do curso técnico de química. Não vivo sem bons livros, séries e filmes. De vez em quando, um café gelado sempre é bem vindo. {mais?}

Seguidores

No Facebook

Últimas Resenhas

Promoções

#Tagalerando

Editoras Parceiras

Arquivo

 

Layout desenvolvido exclusivamente por Tharcila Lima para o Asas Literárias. Veja o portfólio.