Resenha de Livro: Como Romeu e Julieta - Nina Auras

10 comentário(s)
Título: O Último Beijo
Título Original: -
Autor: Cacá Adriane
ISBN: 978-85-8218-004-4
Páginas: 296
Ano: 2012
Editora: Dracaena
Preço: 34,90
Avaliação


Na Cracóvia, Polônia, de 1944, o medo se alastrava como fogo no álcool. Em 7 de outubro, os Sonderkommandos judeus (prisioneiros que haviam sido selecionados para trabalhar como “operários” nas câmaras de gás) organizaram uma revolta no Campo de Concentração Auschwitz-Birkenau. Os 250 prisioneiros revoltosos foram capturados e imediatamente executados. Mas Adam, um dos revoltosos, conseguiu fugir. Ele acabou encontrando a ajuda que precisava em Julia Leinster, uma jovem filha de um comerciante cercada de dúvidas, problemas e doenças que o encontra no meio da noite e o abriga em segredo. Só que acho que todos sabemos que segredos não duram para sempre...


Não é novidade para ninguém que cada vez mais se tem surgido um número imenso de escritores no mercado literário, com novas narrativas, modos de escrita e sempre algo de especial para se acrescentar no mundo da literatura. Dentre esse crescimento de autores vem junto uma nova massa de contadores de história que parecem concordar com o ditado que diz que “tamanho não é documento”. Como Romeu e Julieta é um desses livros saídos da pena de um desses autores dessa geração, quando publicado, sua autora Nina Auras tinha apenas catorze anos e mostrou com sua escrita fina e leve que grande qualidade não é sinônimo de alta idade. 

Durante o início do livro esperei uma história simples e sem tantos detalhes, ainda mais quando vi que a obra era relativamente curta. Felizmente, ao longo das páginas me surpreendi positivamente com uma história caprichada e sem preguiça da parte da autora que conseguiu juntar com extrema harmonia temas tocantes da história humana com uma relação de amor entre duas pessoas. 

Julia Leinster é uma doce menina que vive em Cracóvia na Polônia com seus pais e seu irmão menor. A garota é perdidamente apaixonada por Albert um rapaz da cidade que acaba indo servir seu país e deixando sua amada no mesmo dia que a pediu em casamento. Abalada com a partida do amado, Julia começa a escrever uma espécie de diário contando como está sendo sua vida sem Albert enquanto espera que ele volte. O interessante é que a história não tem enfoque só nesses personagens, na verdade a história começa com uma menina que acabou de se mudar para a Cracóvia com a sua mãe e em uma visita ao porão acaba achando o diário de Julia. O porão está localizado na antiga casa de Julia, que foi vendida para a mãe da garota muitíssimos anos depois da história que envolve nossa protagonista. 

Depois de partir para a guerra, Albert deixa Julia na companhia dos seus pais, do seu diário que está prestes a encher-se de relatos emocionantes e do seu irmão que está com umas das mais temidas doenças da época, tuberculose. Como se já não bastasse a incessante preocupação com seu irmão e com sua mãe que está se sentindo culpada pelo contágio do filho e por qualquer coisa ruim que venha a acontecer com ele futuramente, um certo dia a menina escuta alguém bater na porta e ao abrir se depara com um homem muito machucado que não fala nada. Sem entender de onde o homem vinha ou ao menos saber quem ele era a garota acabou escondendo o rapaz no porão. 

Depois de um pouco mais de atenção Julia acaba descobrindo que o homem misterioso não é um simples homem e sim um fugitivo de uma rebelião que ocorreu em um campo de concentração de judeus. A garota enfrenta um dilema enorme, ela teme muito a reação dos pais ao descobrir que o homem está lá assim como teme o que pode acontecer se o deixar fora de casa machucado e com as autoridades atrás dele. 

A menina acaba mantendo o rapaz no porão e aos poucos vai descobrindo mais informações sobre ele. Seu nome é Adam e ele conseguiu fugir do campo de concentração em meio a uma revolta organizada entre os prisioneiros, ele foi o único que sobreviveu, todos os outros foram imediatamente executados. O pior é que Julia ao longo do tempo não conseguiu apenas informações sobre o rapaz, mas também um carinho enorme e um sentimento novo que remexe com a garota vêm a dar um desfecho surpreendente a história. 

A narrativa foi muito bem elaborada, trazendo uma história envolvente e boa de ser lida. Acho que a autora pecou um pouco no desenvolvimento da história uma vez que ela teve um pensamento histórico brilhante, mas não o aproveitou muito bem, dizendo em poucas páginas o que se poderia ter dito em mais, deixando o livro mais envolvente, mais apaixonante e consequentemente, muito melhor. Nina conseguiu criar uma história cheia de originalidade, coisa que está em falta no mundo literário romântico, sem dúvida alguma criou personagem tão cativantes como Romeu e Julieta.

10 comentários:

J. A. Santos disse...

Oi, estava passando no blog da Karen, vi o seu, me interessei e resolvi dá uma passadinha, já tô seguindo, segui de volta? É eu acho que depois que crepusculo foi lançado, a literatura romantica ficou igual a esse livro chato da Meyer então é bom novos escritores renovarem a literatura com novos estilos.

Marli Carmen disse...

Nossa, estou surpresa com tantos livros inspirados em Romeu e Julieta.. realmente são o casal top da literatura..

Um beijo doce e um ótimo final de semana para vc e sua família.

http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

Ana Ferreira disse...

Juan, não há como negar que a premissa do livro da Nina é extremamente interessante. Ainda mais levando-se em consideração a juventude dela. Deve ser um livro muito emocionante e um lindo romance.
Gostei da resenha =)
Beijo!

franfernands disse...

Há muitos livros parecidos atualmente, histórias de romances são praticamente sempre iguais, não conheço esta, mas pelo que vi, achei inovadora, e estou louca para lê-lo.

Caique Fortunato disse...

Gostei da resenha e de conhecer melhor esse livro, não conhecia. Mas acho que esse tema de Romeu e Julieta tá meio batido, sei lá, e eu não gosto desse tipo de livro. Mas bom saber que a literatura nacional está se destacando e mais leitores estão lendo ''nossos'' livros. Mas achei a narrativa bacana e tal, deve ser um bom livro pra quem gosta.

Abraços

Fernanda Faria disse...

14 anos? sério? Eu aqui com 21 e não consigo escrever nem uma página de algo descente O-O . Eu adoro essa nova ideia de meio que reescrever historias abordando outras visões e outras temáticas, deixo algo mais diferente. Eu não me canso mesmo de releituras, acho que poderiam escrever várias, que eu lereia todos e acharia todos diferentes. Eu nunca tinha escutado falar dessa autora, e nem desse livro. Mas é bom conhecer um pouco mais. Acho que vou colocar na minha lista
beijos

Matheus Moura disse...

Romance aos 14! Uma coisa pode ser dita sobre a escrita do livro, com certeza deve ser instigante. A perspectiva de um dos casais shakespearianos mais famosos, se não o mais, por uma garota de 14 anos que vive no século XXI - seis séculos depois da história original- , absolutamente terá uma grandiosidade de surpresas e de análises a serem feitas. Acho extremamente interessante um olhar inovador sobre obras passadas, a ressignificação do mundo é constante, por consequência os diferentes olhares sobre uma obra também devem ser.

Luciana Cardoso disse...

Ainda não conhecia esse livro e nem a autora, a pouco tempo comecei a ler os livros nacionais lançados e para a minha alegria me surpreendi muito com o talento desses novos autores, li livros realmente bons que se tornaram na maioria os meus favoritos.
Ainda estou revoltada por descobrir que a autora desse livro tinha 14 anos quando o escreveu rsrs... e eu aqui sem ter pelo menos um conto pronto rsrs... apesar de tudo desejo muito sucesso a autora.
A história me pareceu um tanto interessante, apesar de abordar como tema central a história de Romeu e Julieta dá para perceber que a autora soube inovar.
Espero lê-lo em breve para tirar minhas próprias conclusões, Juan parabéns pela resenha completa e bem esclarecedora.

Adrielly Pontes disse...

Amo mesmo histórias que envolvem judeus, sempre me emociono muito. E essa capa é muito linda, minha cor favorita é vermelho então qualquer capa que tenha essa cor já prende e a minha atenção. Antes de ler a resenha/sinopse eu achei que fosse um livro estilo Julieta Imortal, que tentou reinventar a história de Romeu e Julieta e eu não gostei tanto assim. Que bom que é bem diferente. Já coloquei na minha lista de desejos! haha.

Mariana Silva disse...

Me apaixonei por capa e história. Quero muito. E estou boba com a idade da autora :p

Postar um comentário

Manuseador da pena

Juan Silva, 16 anos, Carioca e Sagitariano. 3º ano e estudante do curso técnico de química. Não vivo sem bons livros, séries e filmes. De vez em quando, um café gelado sempre é bem vindo. {mais?}

Seguidores

No Facebook

Últimas Resenhas

Promoções

#Tagalerando

Editoras Parceiras

Arquivo

 

Layout desenvolvido exclusivamente por Tharcila Lima para o Asas Literárias. Veja o portfólio.