Resenha de Livro: Suprema - O Roubo do Intocável - Reginaldo Fazio

2 comentário(s)
Título: Suprema: O Roubo do Intocável
Título Original:  -
Autor: Reginaldo Fazio
ISBN: 978-85-7679-673-2
Páginas: 424
Ano: 2012
Editora: Novo Século
Preço Sugerido: 29,90
Avaliação: 


Thomas é um garoto que vive uma vida normal até se ver diante de uma inexplicável mudança no comportamento de todos ao seu redor. O inimaginável acontece. Ele descobre a existência de um planeta invisível na órbita da Terra e que o roubo de um Intocável está deixando os seres humanos sob a influência do mal. Por alguma razão, só ele pode resgatar o objeto retirado do Reino dos Gentis e evitar que o pior aconteça. Thomas, então, é conduzido a um mundo completamente desconhecido e se vê lançado numa jornada que vai muito além da aventura, que ultrapassa o confronto entre o bem e o mal. Fantasia e realidade se misturam. Uma história fantástica. Um livro que você certamente não conseguirá parar de ler.



Um mundo mágico com protagonista ou protagonistas infantis não é uma coisa inédita na literatura fantástica, pelo contrário, sempre vemos narrativas com esse formato pelas livrarias e estantes. O que difere de fato um clichê e uma obra-prima é exatamente a forma de como o autor nos apresenta seu mundo e seus personagens. No primeiro volume da série Suprema, Reginaldo Fazio conseguiu de forma bela, convincente e possível de se acreditar construir com suas palavras se enquadrar fora do grupo dos moldes de mundos fantásticos. 

Nos primeiros capítulos de Suprema somos apresentados a dois universos. No primeiro, temos o protagonista Thomas que mora com seu pai depois que sua mãe morreu assim que ele nasceu. O garoto acaba tendo uma relação extremamente cordial com seu melhor amigo Erich e sua irmã Felícia que possuem uma família extremamente desestruturada. No segundo universo temos o mundo fantástico de Suprema onde o leitor já começa a ver o que é esse lugar e que povo nele habita, fiquei um pouco confuso no início sem saber o que eram os habitantes desse local e como imagina-los na minha cabeça, mas a confusão foi passando a medida que eles se faziam mais presentes na história.


Ninguém pode se autoproclamar possuidor de todo o saber; há coisas que compreendemos, outras que não conhecemos. Nossa vida é uma interminável busca pela sabedoria.  [...] – Pag. 256 
Devido a alguns acontecimentos o protagonista acaba tendo outro melhor amigo, Antônio, personagem de origem simples que juntamente com seu pai protagonizou uma das cenas mais emotivas na minha opinião. Graças a essa amizade a história acaba tomando novos rumos e dando uma pitada a mais a narrativa do livro.

Por se tratar de um mundo fantástico é quase que lógico que o protagonista teria que adentrá-lo e quando isso aconteceu começou-se uma torrente maior de ação na história e em certos pontos um pouco de confusão já que esperava durante a leitura um poucos mais de respostas que creio que só chegaram nos outros livros da série.  O livro não me decepcionou em nenhum momento de início a fim e creio que a fantasia presente nele serviu em sua maior parte como método para ensinar e relembrar valores tão esquecidos pelas pessoas. Virei mais fã das partes reais do que da fantasia em si, não que quando a trama tenha ficado mais fantástica o livro tenha decaído, muito pelo contrário, já que a fantasia complementa os momentos reais, entretanto, fiquei mas fixado nos personagens e mais viciado na leitura nos momentos em que a fantasia estava com uma presença menor. 

Reginaldo Fazio conseguiu ser com sua obra um grande crédito a literatura nacional.  É com certeza um livro de inúmeras facetas e lições que merece ser lido, e para quem já leu, nos resta esperar a continuação.


2 comentários:

O Resenhista disse...

Poxa, já sou vip aqui no blog (não querendo me achar), mas estou batendo recorde em 'primeiros comentários' kkk

Eu nem to curtindo muita fantasia últimamente... Mas esse livro abriu meu apetite... parece ser interessante, mas bastaaaaante infantil.
Pontos positivos e negativos que pesam na decisão... Pelo menos na minha...
Acho que eu leria ele mesmo assim...

Como sempre a resenha está ótima...

Abraços

Reginaldo Fazio disse...

Olá, O Resenhista.

Poderia soar presunçoso eu dizer a você que meu livro é muito bom! (rs)
Acredite, não é um livro de pura fantasia.

Quando eu estruturei a história, foquei no público infanto-juvenil.

Quando terminei de escrever, vi que havia muitos elementos nele que agradariam até mesmo aqueles que não gostam tanto de aventura e/ou fantasia.

Quando o livro saiu, me surpreendi com o público que ele atingiu (os adultos) e com os elogios. A maioria dizia a mesma coisa: a história é muito mais que a busca pelo Intocável roubado.

Como é um livro que trata de virtudes, há muito mais realidade nele que fantasia.

O livro serve a qualquer um que goste de uma boa história bem contada.

Como disse o Juan: "a fantasia serviu como método para ensinar e relembrar valores tão esquecidos pelas pessoas".

Leia, depois me conte. Tenho certeza de que gostará do livro.

Grande abraço
Reginaldo Fazio
www.seriesuprema.com.br
www.facebook.com/SerieSupremaLivro

Ps.: Parabéns ao Juan! Como sempre, excelente resenha.

Postar um comentário

Manuseador da pena

Juan Silva, 16 anos, Carioca e Sagitariano. 3º ano e estudante do curso técnico de química. Não vivo sem bons livros, séries e filmes. De vez em quando, um café gelado sempre é bem vindo. {mais?}

Seguidores

No Facebook

Últimas Resenhas

Promoções

#Tagalerando

Editoras Parceiras

Arquivo

 

Layout desenvolvido exclusivamente por Tharcila Lima para o Asas Literárias. Veja o portfólio.